O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Urubus que espreitam nos escutem: aqui estamos e reparem pois poderíamos não estar, e dessa forma...tudo seria diferente!

COMA-ME (2000 a 2004)

voltar

Sinopse

Um porco sobre a mesa. Um manifesto. Porcos invandem algum lugar. Atentados antropofágicos. Gula. 

Um manifesto é emitido pelo MRPLP - Movimento Revolucionário Pela Libertação dos Porcos. Os comidos estão tomando o lugar dos comedores. 

Ficha técnica

Dramaturgia e Direção: Cleiton Pereira

Elenco: Analú Gonçalves, André Correia, André Godoy, Márcia Pantaleão, Carlos Gomes (Rei), Dilson Rufino, Drico de Oliveira, Gabriel Guanaes, Jú Penteado, Juliana freitas, Ma Yamamoto, Wilson Ramos

Iluminação: Samuel Vital

Assistente de Iluminação: Tomate Saraiva

Figurinos: Jú Penteado

Adereços: Contadores de Mentira

Fotografia e projeto em Vídeo: Cleiton Pereira e Carlos Magno

Operador de Vídeo: Walter Jorge Chiachio

Cenotécnica: Charles Jorge Soares

Cenografia e Sonoplastia: Cleiton Pereira

Sobre

Estamos na Santa Ceia ou numa fogueira de hereges? Foi um período radical. O medo da platéia durante a encenação gerava gritos, apupos, vaias e estranheza. Era uma encenação desenhada em seus detalhes cheias de estupros caóticos. Este período nos deu coragem e o tema da comida e o corpo digerido tomou proporções que mais tarde identificariam o teatro dos Contadores de Mentira. Atentados antropofágicos propõem uma transformação radical em nossa degustação. Nossa identidade está em crise. Era o momento em que precisávamos ser "comidos". O espetáculo ironiza o próprio umbigo, neste caso, os próprios Contadores d Mentira, usando a metáfora da antropofagia para discutir o artista, o público e aquilo que "comemos" como arte. Tomando por base inspiradora a comida e o ato degustativo, o espetácula é uma fábula sobre o poder e a perda da identidade, onde não se sabe mais o próprio nome. 

Ainda não existem vídeos relacionados a esse espetáculo.

em tempos difíceis... o melhor é não gritar tanto... melhor olhar para dentro e ver o que conseguimos de energia... de verdade... melhor é vasculhar os próprios rins e desinflamá-los.... olhar para as próprias mãos armadas e retirar das próprias mãos todo e qualquer objeto cortante... O triste é que as marcas de...

Logotipo Julio Alves