O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Urubus que espreitam nos escutem: aqui estamos e reparem pois poderíamos não estar, e dessa forma...tudo seria diferente!

COMA-ME (2000 a 2004)

voltar

Sinopse

Um porco sobre a mesa. Um manifesto. Porcos invandem algum lugar. Atentados antropofágicos. Gula. 

Um manifesto é emitido pelo MRPLP - Movimento Revolucionário Pela Libertação dos Porcos. Os comidos estão tomando o lugar dos comedores. 

Ficha técnica

Dramaturgia e Direção: Cleiton Pereira

Elenco: Analú Gonçalves, André Correia, André Godoy, Márcia Pantaleão, Carlos Gomes (Rei), Dilson Rufino, Drico de Oliveira, Gabriel Guanaes, Jú Penteado, Juliana freitas, Ma Yamamoto, Wilson Ramos

Iluminação: Samuel Vital

Assistente de Iluminação: Tomate Saraiva

Figurinos: Jú Penteado

Adereços: Contadores de Mentira

Fotografia e projeto em Vídeo: Cleiton Pereira e Carlos Magno

Operador de Vídeo: Walter Jorge Chiachio

Cenotécnica: Charles Jorge Soares

Cenografia e Sonoplastia: Cleiton Pereira

Sobre

Estamos na Santa Ceia ou numa fogueira de hereges? Foi um período radical. O medo da platéia durante a encenação gerava gritos, apupos, vaias e estranheza. Era uma encenação desenhada em seus detalhes cheias de estupros caóticos. Este período nos deu coragem e o tema da comida e o corpo digerido tomou proporções que mais tarde identificariam o teatro dos Contadores de Mentira. Atentados antropofágicos propõem uma transformação radical em nossa degustação. Nossa identidade está em crise. Era o momento em que precisávamos ser "comidos". O espetáculo ironiza o próprio umbigo, neste caso, os próprios Contadores d Mentira, usando a metáfora da antropofagia para discutir o artista, o público e aquilo que "comemos" como arte. Tomando por base inspiradora a comida e o ato degustativo, o espetácula é uma fábula sobre o poder e a perda da identidade, onde não se sabe mais o próprio nome. 

Ainda não existem vídeos relacionados a esse espetáculo.

        Chamamos nosso teatro de “Celebração”. Em algum momento na construção de nosso grupo percebemos nas manifestações populares, nas rezadeiras, nas celebrações religiosas, nas manifestações religiosas, nos terreiros, nas danças orientais, um fenômeno que nos tocava...

Logotipo Julio Alves